8 dos piores casos de pessoas acusadas de terem cometido crimes horríveis quando na verdade eram inocentes


terça, 14 de maio de 2019

O objetivo de um sistema de justiça forte é fornecer julgamentos justos e imparciais, mas nenhum sistema é infalível. Corrupção, descuido e falta de evidências concretas podem às vezes colocar a pessoa errada atrás das grades, e isso acontece com mais frequência do que você imagina.  

Neste artigo, por exemplo, você conhecerá os piores casos de pessoas que foram injustamente acusadas. 

Confira: 

1) Sally Clark: Em 2007, Sally Clark morreu de envenenamento por álcool depois de não se recuperar de sua condenação anulada e prisão no Reino Unido. Suas questões psiquiátricas e de abuso de substâncias derivam dos supostos assassinatos de seus dois filhos, um em 1996 e outro em 1998. Ela foi condenada e sentenciada a 35 anos de prisão por sufocar e sacudir seus filhos até a morte. Em janeiro de 2003, suas condenações foram todas anuladas com base no fato de que as mortes dos meninos eram de causas naturais, que certas evidências não haviam sido divulgadas e que os testemunhos de médicos especialistas não eram confiáveis. No entanto, como muitas vítimas falsamente acusadas, sua vida nunca mais seria a mesma.  

2) Angela Cannings: Após as mortes de seus filhos em 1991 e 1999, a mãe britânica Angela Clark cumpriu um ano de prisão perpétua por sufocar seus filhos. Investigações posteriores revelaram que sua família tinha uma história significativa de Síndrome da Morte Súbita Infantil, tendo perdido uma filha em 1989 para a SIDS antes do nascimento dos meninos. Sua avó e sua bisavó perderam filhos de maneira semelhante. Em 2003, sua condenação foi anulada. Clark lutou para reconstruir sua vida após a sua libertação e agora luta por outras mães que são injustamente acusadas do mesmo crime.